sábado, 22 de outubro de 2011

O Elefante e o Pequeno Rato



Certa vez no coração da floresta africana, uma família de Elefantes ficou assustada com um pequenino Rato selvagem. Entretanto, o pequeno Rato tentava comer com seus amiguinhos algumas migalhas que sobrara dos Elefantes. Por um momento a esperteza do líder dos Elefantes cercou o Rato selvagem enquanto saciava sua fome. De repente, o Elefante líder que estava prestes a esmagá-lo tentou inutilmente, pois o pequeno desviou-se, ligeiramente, porém lhe disse:
_Elefante, se o senhor me deixar comer suas migalhas, caso precise algum dia de ajuda pode contar comigo!
Aquele Elefante imponente olhou para seus companheiros e teve uma crise de risos e comentou:
_Rato, pela piada vou deixar você comer o resto de nossas migalhas... onde já se viu, eu precisar de ajuda de alguém pequenino desse jeito?
Então o Elefante saindo do local, deixou a família de ratos selvagens saboreando aquele apetitoso almoço...
Alguns meses depois caçadores de marfim capturaram aquele imponente Elefante pelo seu precioso chifre. Aquele líder estava condenado à morte. Amarraram-no em uma frondosa árvore. Suas patas foram presas com cordas e sua imponência dava espaço às lágrimas pelo medo da morte, e, a certeza da despedida eterna de sua família.   O Elefante ouve um ruído na mata e olhando para o céu azul, já se despedia da vida. Ouviu um barulho vindo da mata e pensou que poderiam ser os caçadores.  Contudo, não se tratava de nenhum caçador, era apenas uma conhecida família de Ratos selvagens que buscava por alimento. O pequeno Rato avista o grande Elefante e o saúda:
_Oi Sr. Elefante... lembra de mim? Vejo que os caçadores te capturaram, mas vou lhe dar uma forçinha.
Naquele mesmo instante o Rato e seus companheiros começaram a roer aquelas cordas com seus afiados dentes, soltando o Elefante das garras dos caçadores em poucos minutos. O Elefante ficou muito grato ao pequeno Rato que se tornou um eterno e grande amigo. O imponente Elefante conseguiu então conquistar a glória da liberdade. Antes da partida do gigantesco Elefante o Rato relembra:
_Elefante, sei que você desprezou algum tempo atrás a possibilidade de um dia ajudá-lo... riu por eu ser pequenino. Como poderia dar “uma mãozinha” a alguém importante como o senhor? Mas, daqui em diante, saiba de uma coisa: pode contar com esse humilde e pequenino Rato.


“Verdadeiramente existem PEQUENOS, mas GIGANTESCOS amigos que fazem a diferença em nossas vidas.”
Na Palavra de Deus em Provébios 17.17 diz:
“Em todo tempo ama o amigo e para a hora da angustia nasce o irmão.”
 por Jan Viana

Nenhum comentário:

Postar um comentário